Eternamente Menina

Março 16 2005
"Sleeping Girl", escultura de Carl Moroder
 (interpretação da pintura de G.Klimt)

 
Não me apetece dizer o que penso,
o que sinto, o que sou.
Não me apetece dizer-te
para onde vou, onde estou
o que senti.

Não me apetece manifestar meus afectos,
meus carinhos, pedir um beijo,
roçar  teu corpo em mil desejos.

Não me apetece dizer
quantos orgasmos tive,
quanto me possuias loucamente.

Não me apetece dizer o que sinto
quando o frenesim da tua boca
roça as minhas coxas
e me deixas louca de tesão.

Não me apetece
E apetece-me tudo...



 

(03-04-2004)
publicado por Menina Marota às 23:14

Apetites desses, quem recusará???? Voltei!!! bjocas e intésaaron
</a>
(mailto:aaron@iol.pt)
Anónimo a 21 de Março de 2005 às 15:13

Deveras interessante.../


E quem se define/
E se mostra/
E se assume/
Se distancia.../
Mesmo não querendo distância/


"Sleeping Girl".../
A arte de viver desenvolves/
Mesmo a dormir/


Por esta arte te distancias/
Daqueles que a arte querem rasgar e ferir/
Porque eles (comem tudo)
Ferem a arte habituados que estão/
A ferir de morte a Vida/

Tu desenvolves/
Tu envolves/
Manuel
</a>
(mailto:jope103@yahoo.com)
Anónimo a 19 de Março de 2005 às 17:13

Sente apenas..não pronuncies palavra...Jinho e bom fds...com alguma chuva...que bem é precisa. BShellblueshell
(http://blueshell.blogspot.com)
(mailto:sengelo@mail.pt)
Anónimo a 18 de Março de 2005 às 23:52

Sente apenas..não pronuncies palavra...Jinho e bom fds...com alguma chuva...que bem é precisa. BShellblueshell
(http://blueshell.blogspot.com)
(mailto:sengelo@mail.pt)
Anónimo a 18 de Março de 2005 às 23:52

Sente apenas..não pronuncies palavra...Jinho e bom fds...com alguma chuva...que bem é precisa. BShellblueshell
(http://blueshell.blogspot.com)
(mailto:sengelo@mail.pt)
Anónimo a 18 de Março de 2005 às 23:52

E que belo poema fizeste para dizer o que não te apetece! Lindo. beijosagua quente
(http://gato-na-paisagem.blogspot.com)
(mailto:agua-quente@hotmail.com)
Anónimo a 18 de Março de 2005 às 22:57

{ …

deixo um mimo (o de ontem):

sinto[-me] amarrar, apertar com nó ou laçada
em teu desejo, impele, neste nunca desatar e
caminho, rodeio, talvez enleio [neste teu] beijar
© de[mente]

… }
de[mente]
(http://www.mgrande.com/weblog/index.php/luzdetecto)
(mailto:demente@sapo.pt)
Anónimo a 18 de Março de 2005 às 22:47

comecei a ler, continuei e já pensava na resposta (devia apetecer, devia apetecer...) mas agora chegado ao fim noto a precipitação dos meus pensamentos :))
sim. sim. tudo de tudo ;)Ardente_Mente
(http://ardente-mente.blogspot.com/)
(mailto:ardente_mente@hotmail.com)
Anónimo a 18 de Março de 2005 às 22:43

Pois se não te apetece, não digas! Deixa quem quer que seja adivinhar :) Gostei muito do teu poema. Beijoslique
(http://mulher50a60.weblog.com.pt)
(mailto:lique2@sapo.pt)
Anónimo a 18 de Março de 2005 às 22:27

...mais que do template, do abrir rápido dos comments e outras coisas que tais, o que me traz aqui são as tuas palavras escritas. Cada vez com mais força, cada vez melhor desenhadas. Parabéns!

Jinho e bom fim de semana...e intés!!porquinho da india
</a>
(mailto:baconfrancis@netcabo.pt)
Anónimo a 18 de Março de 2005 às 20:52

Sobre Mim...
Outras Eternidades