Eternamente Menina

Fevereiro 25 2005

[René Magritte]

 

 

O meu olhar é nítido como um girassol.
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando para a direita e para a esquerda,
E de vez em quando olhando para trás...
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem...
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deveras...
Sinto-me nascido a cada momento
Para a eterna novidade do Mundo...
Creio no mundo como num malmequer,
Porque o vejo. Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender...

O Mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...

Eu não tenho filosofia; tenho sentidos...
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar...

Amar é a eterna inocência,
E a única inocência não pensar...

 

Alberto Caeiro, "O Guardador de Rebanhos"
 (8-3-1914)


 

Num agradecimento sensibilizado, a todos os que se dignam honrar-me com a participação neste blog, deixo o meu abraço e as palavras de Fernando Pessoa.

 

publicado por Menina Marota às 16:36

obrigado pelas palavras do Mestre, que nos dedicas. obrigado pelas tuas visitas também. beijinho. J.jorge
(http://www.extensamadrugada.blogspot.com)
(mailto:rudolfoelias@hotmail.com)
Anónimo a 27 de Fevereiro de 2005 às 23:05

http://bazaroquinho.blogs.sapo.ptlmikotas
(http://bazaroquinho.blogs.sapo.pt)
(mailto:lmikotas@sapo.pt)
Anónimo a 27 de Fevereiro de 2005 às 18:48

Não é preciso agradecer, o prazer é todo meu continuar a passar por aqui:)aflores
(http://omeublog2004.blogs.sapo.pt)
(mailto:albertoflores1957@sapo.pt)
Anónimo a 27 de Fevereiro de 2005 às 17:11

Um dos meus favoritos do mestre Caeiro.pauxana
(http://dasletras.blogs.sapo.pt)
(mailto:pauxana@sapo.pt)
Anónimo a 27 de Fevereiro de 2005 às 12:57

Gostei muito do teu blogue.
E obrigada pelo comentário! =)

Um beijo, Litostive*Litostive
(http://litostive.blogspot.com)
(mailto:miriamiluz@hotmail.com)
Anónimo a 27 de Fevereiro de 2005 às 02:46

Não sou do tempo de ter lido este poema, nas minhas aulas de português, mas que é lindo, pode constactar agora, que o li.Muito obrigada por o teres partilhado. Óptimo domingo...Bjsdocerebelde
(http://Docerebelde.blogs.sapo.pt)
(mailto:DoceRebelde@hotmail.pt)
Anónimo a 27 de Fevereiro de 2005 às 01:40

{ ...
[escolha]
por ti reclamada [exigida] [;]
por ele[a] tida [alcançada; obtida] [;]
por nós sentida [lida]
© pipetobacco ... }
pipetobacco
(http://www.mgrande.com/weblog/index.php/luzdetecto)
(mailto:pipetobacco@sapo.pt)
Anónimo a 27 de Fevereiro de 2005 às 00:50

Se queres saber como se fazem os links dá-me o teu mail que eu tento explicar (não garanto que consiga, mas garanto que tento!)Beijinhos e bom domingo!saltapocinhas
(http://fabulas.blogspot.com)
(mailto:mapsl@sapo.pt)
Anónimo a 27 de Fevereiro de 2005 às 00:18

Grande cena... Tenho teste sobre Álvaro de Campos na segunda, não me queres ajudar? :DClaudio
(http://www.ocidentalpraialusitana.blogspot.com)
(mailto:caocordilolsc@hotmail.com)
Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 22:42

Simplesmente amo esse poema! Simplesmente adoro Alberto Caeiro. Estive a dá-lo em Português. É uma filosofia de vida muito simples, muito doce. =) Foi uma boa escolhaDiaBoliK AnGel
(http://diabolikangel.blogs.sapo.pt)
(mailto:amff@iol.pt)
Anónimo a 26 de Fevereiro de 2005 às 22:31

Sobre Mim...
Outras Eternidades