Eternamente Menina

Fevereiro 22 2005

 

Devo ter feito um ar de amuo, quando entrei no café e vi a “minha mesa” ocupada, porque o empregado sorriu, com aquele ar de matreiro, a que já estou habituada.
- Tardou, menina. A sua mesa já foi ocupada.
Acenei com a cabeça e dirigi-me ao quiosque.
Elas saem já – diz-me, num tom um pouco carinhoso a menina do balcão, enquanto eu escolhia os jornais.
Não faz mal, vou para a outra do canto – respondi-lhe num sorriso, que ela bem interpretou.
Já tínhamos conversado várias vezes, sobre a maravilha que era estar num local daqueles, gozando uma paisagem magnífica, uma música ambiente que convidava à leitura e, acima de tudo, aquilo que mais prezava, a quietude do local.
Lancei um olhar melancólico, para o meu lugar habitual. Cinco mulheres conversavam entre si. Rondariam entre os trinta e quarenta anos (mas, quem adivinha a idade de uma mulher?) Sorridentes, olhavam com interesse para a revista que uma delas tinha nas mãos. Concentrei-me na leitura, até que a voz de uma delas, me fez levantar a cabeça.
– Há coisas que uma mulher não deve fazer a um homem – a sua voz era clara, num tom, talvez um pouco irritado.
- Mas porquê? Não é teu marido?
- Que importa isso, tem que haver respeito, se eu me atrevesse a fazer o que diz aí na revista, ele ia logo dizer que eu tinha aprendido com outro…
A discussão acesa que se gerou, acabou por despertar o meu interesse. Discretamente, olhei-as e percebi a irritação no rosto da mulher que falava. Tinha levantado o tom, enquanto as outras riam e falavam entre si, frases que eu ia apanhando…
- Desculpa lá, no amor não há esse preconceito. Isso já não se usa! És ou não mulher dele? Há quantos anos estás casada? Então… Olha, eu e o João, não temos vergonha de nada…Temos cada aventura… nem te conto…
E continuaram neste tema, durante algum tempo.
Não sei a que concluões chegaram, porque o meu tempo tinha-se esgotado e eu acabei por sair, deixando-as numa conversa acesa, quebrando o silêncio habitual do local.
Esqueci o episódio, até ao momento em que entro na Internet e por coincidência, leio no Blog Cogitando, um tema deveras curioso "Boas na Cama!".
Escusado será dizer, que o fui ler!
E o meu primeiro pensamento foi: porque será que o título não é “Bons na Cama”?
E recordei a exaltação da frase daquela mulher de quase quarenta anos, com receio do marido, se pusesse em prática aquilo que vinha na revista (não imagino o que fosse…)
O receio do desconhecido, de mostrar curiosidade em descobrir coisas novas, em tomar iniciativas, em solicitar ajuda em pormenores, na maioria dos casos, faz com que uma relação entre numa rotina, bem prejudicial para o casal.
E, ocorre-me um pensamento: quantos homens, ouvindo a queixa da sua companheira, de que não iam à piscina, porque não tinham ido fazer a depilação por falta de tempo, se ofereceram para ajudar a mulher nessa "tarefa"?
Saberão eles, que essa atitude poderá gerar uma forte sensualidade entre eles?
"Boas na Cama"… é uma frase que me irrita! Como se a mulher fosse um robot manipulável! O êxtase da mulher, é o conjugar de todos os sentires adquiridos, de todos os factores que fazem explodir em si, a sensualidade e o desejo de uma fêmea. Não por padrões esotéricos, mas por desejos que finalmente se libertam e explodem, em toda a sua plenitude.
 

Este texto foi escrito num desafio ao tema do Garanho, em  http://cogitando.blogs.sapo.pt/

 

publicado por Menina Marota às 15:12

A melhor resposta que poderia dar a cada um de vós, é a participação activa que todos tiveram neste meu texto. Cada uma das vossas resposta é uma reflexão e um conhecimento que adquiro, que enriquece sem sombra de dúvida, a minha personalidade perante vós. Agradeço sensibilizada todos os vossos comentários, deixando um carinhoso abraço para todos e o meu muito obrigada pela participação num local que também é vosso.
Não respondo individualmente a cada um, senão o meu pc, faz-me das dele... :-)Menina_Marota
(http://eternamentemenina.blogs.sapo.pt/)
(mailto:Menina_marota@sapo.pt)
Anónimo a 24 de Fevereiro de 2005 às 19:47

Concordo contigo! Detesto essa frase...É tão restritiva..:)123de4
(http://123de4.blogs.sapo.pt/)
(mailto:123de4_@sapo.pt)
Anónimo a 24 de Fevereiro de 2005 às 19:13

Excelente texto, em todos os sentidos;) os meus parabéns! Resto de boa semana!Beijinhos grandes. MalaeMalae
(http://ilhalorosae.blogs.sapo.pt/)
(mailto:catiandrea@hotmail.com)
Anónimo a 24 de Fevereiro de 2005 às 16:36

(duvidando que este escrito venha a ser lido, prossigo):

Gostei do Poema da Natália Correia no meu blog, merci!

Quanto ao post, tenho um amigo de um amigo, daqueles machões inveterados, que proferia o seguinte pensamento "Sabendo eu o que faço com as filhas dos outros, permita Deus que eu nunca tenha uma filha"

Agora a frase "boas na cama" é redutora e machista, bem sei, mas existem, de facto, mulheres e homens bons (e tb maus na cama). Dependerá do critério de análise, do grau de intimidade e cumplicidade, da compatibilidade, etc. agora que los hay, los hay.

E depois deve também haver aqueles seres que parecem saber exactamente, como se inato fosse, qual o ponto certo, a cadência, a intensidade das carícias que ansiamos...

mas existem tantos factores, muitos deles psicológicos, que qualquer tentativa de análise que fizesse seria sempre redutora.

Agora se há pessoas boas a fazer massagens, boas a dar beijos, boas na ausência de preconceitos, boas na entrega, boas na imaginação...

Também há pessoas boas na cama.

por mais que esta frase seja simplista, e o conceito de "bom" ser diferente de pessoa para pessoa.

p.s.- se houver pessoas más na cama, que aí julgo que mais pessoas concordarão, haverá necessariamente pessoas boas.

Mas também

GOOD GUYS GO TO HEAVEN, BAD GUYS GO EVERYWHERE!

p.s.2- este é capaz de ser o post mais comprido que já escrevi em toda a minha vida...Ex-Solteirão
(http://www.diariodeumsolteirao.blogspot.com/)
(mailto:castrotiago@hotmail.com)
Anónimo a 24 de Fevereiro de 2005 às 15:17

uma pergunta : o que é o homem para ti?? voltarei para ver a resposta. :|arqpatricio
(http://guerradsexos.blogs.sapo.pt/)
(mailto:arqpatricio.bernardes@sapo.pt)
Anónimo a 24 de Fevereiro de 2005 às 14:04

Boas na cama!! LoLOl ;)Hugo Sa
(http://poker-alho.blogspot.com)
(mailto:words_vs_pain@hotmail.com)
Anónimo a 24 de Fevereiro de 2005 às 13:44

...um post "polemizante" no contexto de um país ainda a navegar em dogmas e traumas que no século XXI já não teriam razão de ser. Quem lucra, quem lucra? A indústria do sexo, pois tá claro!!
Fica bem e..intés!!porquinho da india
</a>
(mailto:baconfrancis@netcabo.pt)
Anónimo a 24 de Fevereiro de 2005 às 09:42

Para alem do texto e de dos comentarios que ele te sugeriu e aos teus leitores, gostei mesmo da imagem que escolheste para o ilustrar... de ver mesmo "boa na cama" :) Quanto ao politicamente correcto não comento. O meu sorriso tb para ti

Beijinhos
JoãoJoão
(http://bamos.blogs.sapo.pt/)
(mailto:alvesalves69@hotmail.com)
Anónimo a 24 de Fevereiro de 2005 às 05:59

Excelente texto!
Beijo :)Mar Revolto
(http://aromasdomar.blogspot.com)
(mailto:o_sextosentido@hotmail.com)
Anónimo a 24 de Fevereiro de 2005 às 03:30

n se ouve as conversas lol...ehehehee tás mais animada...ainda bem...jinhosAzorboy
(http://livretransito.blogs.sapo.pt)
(mailto:marco_azor@sapo.pt)
Anónimo a 23 de Fevereiro de 2005 às 23:54

Sobre Mim...
Outras Eternidades