Eternamente Menina

Fevereiro 15 2005

 

 

 

HINO A PÃ
(de Mestre Therion *)


Vibra do cio subtil da luz,
Meu homem e afã
Vem turbulento da noite a flux
De Pã! Iô Pã!
Iô Pã! Iô Pã! Do mar de além
Vem da Sicília e da Arcádia vem!
Vem como Baco, com fauno e fera
E ninfa e sátiro à tua beira,
Num asno lácteo, do mar sem fim,
A mim, a mim!
Vem com Apolo, nupcial na brisa
(Pegureira e pitonisa),
Vem com Artêmis, leve e estranha,
E a coxa branca, Deus lindo, banha
Ao luar do bosque, em marmóreo monte,
Manhã malhada da àmbrea fonte!
Mergulha o roxo da prece ardente
No ádito rubro, no laço quente,
A alma que aterra em olhos de azul
O ver errar teu capricho exul
No bosque enredo, nos nás que espalma
A árvore viva que é espírito e alma
E corpo e mente - do mar sem fim
(Iô Pã! Iô Pã!),
Diabo ou deus, vem a mim, a mim!
Meu homem e afã!
Vem com trombeta estridente e fina
Pela colina!
Vem com tambor a rufar à beira
Da primavera!
Com frautas e avenas vem sem conto!
Não estou eu pronto?
Eu, que espero e me estorço e luto
Com ar sem ramos onde não nutro
Meu corpo, lasso do abraço em vão,
Áspide aguda, forte leão -
Vem, está fazia
Minha carne, fria
Do cio sozinho da demonia.
À espada corta o que ata e dói,
Ó Tudo-Cria, Tudo-Destrói!
Dá-me o sinal do Olho Aberto,
E da coxa áspera o toque erecto,
Ó Pã! Iô Pã!
Iô Pã! Iô Pã Pã! Pã Pã! Pã.,
Sou homem e afã:
Faze o teu querer sem vontade vã,
Deus grande! Meu Pã!
Iô Pã! Iô Pã! Despertei na dobra
Do aperto da cobra.
A águia rasga com garra e fauce;
Os deuses vão-se;
As feras vêm. Iô Pã! A matado,
Vou no corno levado
Do Unicornado.
Sou Pã! Iô Pã! Iô Pã Pã! Pã!
Sou teu, teu homem e teu afã,
Cabra das tuas, ouro, deus, clara
Carne em teu osso, flor na tua vara.
Com patas de aço os rochedos roço
De solstício severo a equinócio.
E raivo, e rasgo, e roussando fremo,
Sempiterno, mundo sem termo,
Homem, homúnculo, ménade, afã,
Na força de Pã.
Iô Pã! Iô Pã Pã! Pã!

 

 

O "Hino a Pã" é uma tradução do Hymn to Pan, do prefácio do livro "Magick in Theory and Practice", de Aleister Crowley. Esta tradução foi publicada em Outubro de 1931 em "Presença", de Fernando Pessoa.


(*) Mestre Therion é um dos nomes mágicos de Aleister Crowley.

 

A foto é do blog da Anne (Retalhos d'Alma) e quando olhei para aquela imensidade, ocorreu-me este Poema... vai-se lá saber porquê...

publicado por Menina Marota às 13:00

Sem palavras por tanta beleza e tanta força. Bjos
amita
(http://brancoepreto.blogs.sapo.pt)
(mailto:amitaf324@hotmail.com)
Anónimo a 19 de Fevereiro de 2005 às 18:57

muito me apraz ver que também se dedica a este tipo de leituras! parabéns pelo blog maravilhoso! abraços bloguistas ;)Nahira
(http://novailha.blogspot.com)
(mailto:atlantys_pt@hotmail.com)
Anónimo a 18 de Fevereiro de 2005 às 19:43

Gosto muito da foto! ;)Hugo Sa
(http://poker-alho.blogspot.com)
(mailto:words_vs_pain@hotmail.com)
Anónimo a 18 de Fevereiro de 2005 às 01:25

Heyz! Muito obrigada pelo seu comentário! Nao sei muito bem o que escrever... ( nunca tive muito jeito para deixar comentários =P ) Vou seguir o seu conselho, alias se ficar sem a Nanda a minha vida deixa de ter qualquer significado. Invejo de certa maneira os seus filhos, pois têm uma mãe que lhes dá carinho e os adora ( a minha mae, só me liga quando precisa de algum favor meu =( ) Espero que não se importe, mas vou adicciona-lá aos meus favoritos e espero receber muitas mais visitas suas! bZiNhuZzZz desta sua "nova" amiga! =DAngel of Darkness
(http://www.lifeislike.weblogger.terra.com.br)
(mailto:angel_of_darkness199@hotmail.com)
Anónimo a 15 de Fevereiro de 2005 às 21:34

É sempre bom quando nos apetece algo diferente e vê que em teu caso tua eleiçao de texto e imagem foram excelentes... :)
Bjs!Carmem Lucia Vilanova
(http://www.moralesvilanova.blogspot.com)
(mailto:moralesvilanova@yahoo.com)
Anónimo a 15 de Fevereiro de 2005 às 20:55

Belíssimo poema. Mesmo um prosaico como eu gostei dele. A foto só serve para destacar o conteúdo das palavras.
Aleister Crowley um nome de referência no mundo esotérico. Tenho um baralho de tarot desenhado por ele. Não sabia que ele mantinha relações com Pessoa.
Jinho de parabéns,
LarousseLarousse
(http://ceueinferno.blogs.sapo.pt/)
(mailto:larousse@sapo.pt)
Anónimo a 15 de Fevereiro de 2005 às 20:26

A magia de Pã e das tuas palavras, misturada com esta imagem, deu este texto lindo.Angela
(http://www.lightbubbles.blogspot.com)
(mailto:lightbubbles@gmail.com)
Anónimo a 15 de Fevereiro de 2005 às 18:49

Viva!
Bote para cá o seu piri-piri! Espero que não seja a primeira e a última vez, OK?!
O "portugês" mais insólito, no post que comentou, encontra-se nas Aventuras do TimTim!
Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário!
Beijos deste Boi!Boi da Pérsia
(http://stor.blogs.sapo.pt)
(mailto:troncolopes@sapo.pt)
Anónimo a 15 de Fevereiro de 2005 às 16:16

a imagem é mt boa...esse hino Pã desconhecia port completo...jokasAzorboy
(http://livretransito.blogs.sapo.pt)
(mailto:marco_azor@sapo.pt)
Anónimo a 15 de Fevereiro de 2005 às 15:56

Olá. Posso considerar o teu comentário no SER Humano como uma colaboração? É que se assim for, tens direito imediato a ser co-autora. Basta que me indiques o teu e-mail. A ideia do SER Humano é tbm partilhá-lo com quem quiser participar. BeijinhoBlue C
(http://deepbluec.blogspot.com)
(mailto:bluec@sapo.pt)
Anónimo a 15 de Fevereiro de 2005 às 14:44

Sobre Mim...
Outras Eternidades