Eternamente Menina

Janeiro 25 2005

  Tamara de Lempicka - La Dormeuse  

  

De saudade
em saudade 
se constrói
Um espaço frio
vazio, calado.

De esperança 
em esperança, 
destruída,
se constrói
um olhar sem olhos
igual
para gente e coisas.

De adeus
em adeus
abafados pelo orgulho
corajosamente só 
se constrói
um chorar sem lágrimas
e um lamento
feito sorriso.

Das palavras
que ficam sempre
por dizer
se constrói
uma boca
fechada ao amor
e aberta ao egoismo

Da confusão 
de sentimentos
e da vontade
do homem
se constrói
uma mulher
de nome
   solidão.
publicado por Menina Marota às 12:12

Olá menina, o poema é muito bonito, porém triste...espero ver-te amanhã com um sorriso alegre.{fases assim quem as não tem?}...um bom dia p ti... bjokas**Joaninha
(http://joaninhavoavoa.blogs.sapo.pt)
(mailto:sonia.joana_78@sapo.pt)
Anónimo a 26 de Janeiro de 2005 às 14:26

Honra, Orgulho, Glória em http://nacional.blogs.sapo.ptHonra, Orgulho, Glória
(http://nacional.blogs.sapo.pt)
(mailto:amff@iol.pt)
Anónimo a 26 de Janeiro de 2005 às 13:42

Apesar de triste, o poema é lindo!...

Um beijoFrog
(http://outravoz.blogspot.com)
(mailto:al.santos@netcabo.pt)
Anónimo a 26 de Janeiro de 2005 às 13:17

reitero: é uma belíssima imagem.Helena de Barros
(http://diariohelena.blogs.sapo.pt)
(mailto:helenadebarros@sapo.pt)
Anónimo a 26 de Janeiro de 2005 às 12:52



deixo-te um sorriso...

(o Tejo está onde sempre esteve, bem sabes!)

beijoDonBadalo
(http://oblogdalibelua.blogs.sapo.pt)
(mailto:DonBadalo@sapo.pt)
Anónimo a 26 de Janeiro de 2005 às 12:13

Bonito.
O caminhar de falha em falha até à solidão. É uma característica da vida moderna. Hoje quase todos sofremos de solidão. porém compete a cada um de nós combatê-la e a escrita é uma ajuda.

O poema é lindo, profundo, infelizmente realista.

Há que tentar um novo beijo, um novo abraço, um novo amor. A vida só acaba na morte.João Norte
(http://www.intro.vertido.weblog.com.pt)
(mailto:j.norte@netvisão.pt)
Anónimo a 26 de Janeiro de 2005 às 11:27

a solidão cameça por ser,para muita gente, a fuga de quem os rodeia, por uma ou outra razão tentam sair de perto daqueles que por ventura os restringem de...
outros porque simplesmente sem saberem como se vão arrastando para esse abismo, é a velha históri "no mei de uma multidão e sentir-se só", apenas porque não ha identificação, porque talvez nem haja essa tentativa.
sinceramente não consigo definir solidão,mas todos nós a qualquer altura, se não a sentimos, é provavel que a vinhamos a sentir,uns mais tempo do que outros. o importante é não arrastar a situação...
soluções? não as consigo arranjarimpressaodigital
(http://www.leiturasilenciosas.blogspot.com)
(mailto:anapaiva_/@hotmail.com)
Anónimo a 26 de Janeiro de 2005 às 10:17

Uma vez escrevi um texto sobre a solidão. Diia lá q a solidão é um castigo para mim...depois escreveram-me um comentário dizendo q a solidão até pode ser bastante saudável. Só gosto de solidões temporárias. Adorei o poema. Quanto ao comentário q fizeste no outro dia no meu blog, ele n se perdeu e era lindo. Ando cansada.....desculpa se as ideias estão sem nexo. Beijos azuis.Joana
(http://www,cbecanalua.blogs.sapo.pt)
(mailto:safiras_lunares@hotmail.com)
Anónimo a 26 de Janeiro de 2005 às 09:10

:)Não, Não há homem que dê esse nome a uma mulher:) è injusto dizer isso quando não faltam homens por ai!! :)
joão
beijinho.João
(http://bamos.blogs.sapo.pt/)
(mailto:alvesalves69@hotmail.com)
Anónimo a 26 de Janeiro de 2005 às 05:49

O poema está mto bonito...parabéns, obrigada pelo teu comentário ao meu post| Bjinsnovembro7
(http://www.botaquetem.blogs.sapo.pt)
(mailto:novembro7@sapo.pt)
Anónimo a 26 de Janeiro de 2005 às 01:17

Sobre Mim...
Outras Eternidades