Eternamente Menina

Janeiro 11 2005

 

É possível falar sem um nó na garganta.
É possível amar sem que venham proibir.
É possível correr sem que seja a fugir.
Se tens vontade de cantar não tenhas medo: canta.
É possível andar sem olhar para o chão.
É possível viver sem que seja de rastos.
Os teus olhos nasceram para olhar os astros.
Se te apetece dizer não, grita comigo: não!
É possível viver de outro modo.
É possível transformar em arma a tua mão.
É possível viver o amor. É possível o pão.
É possível viver de pé.
Não te deixes murchar. Não deixes que te domem.
É possível viver sem fingir que se vive.
É possível ser homem.
É possível ser livre, livre, livre.

 

[Manuel Alegre in Letra para um Hino]

publicado por Menina Marota às 14:07

"Se uma gaivota viesse/trazer-me o céu de Lisboa/
no desenho que fizesse,/nesse céu onde o olhar/
é uma asa que não voa,/esmorece e cai no mar./"
Bom fim de semana Aaron... inté (como dizes...) eheh Bjs :-)))

menina_marota
(http://eternamentemenina.blogs.sapo.pt/)
(mailto:Menina_marota@sapo.pt)
Anónimo a 15 de Janeiro de 2005 às 01:44

Um dos meus poemas favoritos também, Frog. É sempre bom recordá-lo. Um beijo e bom fim de semana.:-)))menina_marota
(http://eternamentemenina.blogs.sapo.pt/)
(mailto:Menina_marota@sapo.pt)
Anónimo a 15 de Janeiro de 2005 às 01:40

***A meu favor

Tenho o verde secreto dos teus olhos

Algumas palavras de ódio algumas palavras de amor

O tapete que vai partir para o infinito

Esta noite ou uma noite qualquer ***

Um soneto do teu escritor favoriti!!! intés!!! aaron
aaron
</a>
(mailto:aaron@iol.pt)
Anónimo a 11 de Janeiro de 2005 às 21:29

Obrigado por este poema libertador!... Estava a fazer-me falta ouvir algo como isto!

Um beijo grandeFrog
(http://outravoz.blogspot.com)
(mailto:al.santos@netcabo.pt)
Anónimo a 11 de Janeiro de 2005 às 16:30

Sobre Mim...
Outras Eternidades