Eternamente Menina

Dezembro 24 2004

 
Dou-te a minha mão
Prendes os meus dedos nos teus
E nesse entrelaçar que nos liberta
Uma dança fazemos.
 
Sentes este tango que te percorre os dedos?
Entrego-te a minha boca
Nos teus lábios amordaças os meus
E nesse beijo que nos incendeia
Uma sombra abatemos.
 
Porque sinto o Sol a percorrer-me o corpo, sem medos?
A ti me dou em forma de palavras
para que nos teus sentires, despertes os meus
E nessa paixão que nos enlaça
Um poema satisfazemos.

Um poema...
 
 Este poema mágico que sentimos dentro de nós
As tuas palavras com que saboreias a minha alma.
 
(14/3/2004)
publicado por Menina Marota às 02:28

Lindo como tudo o que escreves. E profundo. BeijosLena
</a>
(mailto:pkena@iol.pt)
Anónimo a 27 de Dezembro de 2004 às 08:57

"O amor sabe-me sempre a pouco..." é isso mesmo. É o que eu sinto. E o que tento dar. O amor que tenho em mim. Nas palavras, no meu EU, que poucos conhecem... Os brasileiros têm uma forma de se expressar que eu adoro. Ao longo da minha vida tenho tido contacto com muita gente brasileira e adoro a sua afectividade, a sua forma de expressão. E os seus autores... Talvez por isso as minhas palavras sejam fruto desses "amores"... Um beijo para ti e, volta sempre. Menina_Marota
(http:///)
(mailto:menina_marota@sapo.pt)
Anónimo a 25 de Dezembro de 2004 às 09:43

É extraordinário quando nos cruzamos com pessoas com sentires muito semelhantes aos nossos. Eu também sou assim: carente, faminta de palavras.. E o amor.. O amor sabe-me sempre a pouco, mesmo que me molhe constantemente os lábios.
Apesar de às vezes me parecer a escrita brasileira, admito que adorei este poema!
Beijo*Sete-Luas
</a>
(mailto:sete-luas@mymailpt.com)
Anónimo a 24 de Dezembro de 2004 às 13:36

Sobre Mim...
Outras Eternidades