Eternamente Menina

Dezembro 21 2004

Um impulso fez-me dar uma guinada no volante e virar para a rua estreita, enquanto me buzinam furiosamente (mas que coisa, eu dei o pisca...tento "desculpar-me" da minha asneira).
Vorazes são os meus sentimentos...
Parecia que tudo estava na mesma mas, olho atentamente: Pequenas vivendas em banda, substituiam as casitas baixas, que quase ocupavam a rua...
O velho bar de madeira, tinha sido modernizado... amplas vidraças, banhadas pelo sol, enquanto as ondas, tão perto, diluem-se na areia fina.
Que impulso me tinha levado ali? Olho o mar, enquanto caminho devagar, pela passadeira de madeira... Tanta recordação...
Quanto tempo estive assim? Não sei dizer.
Repentinamente, sinto uma presença atrás de mim. Mesmo sem olhar, pressenti... Será possível? Estarei a sonhar? Ao fim destes anos?
Aquele olhar matreiro... Não evitei um sorriso
-Estás na mesma- diz numa voz rouca (seria da emoção?). - Continuas com o mesmo sorriso lindo. Não mudaste nada. Estás linda. Abano a cabeça, em ar de discordar:
- E tu, com o mesmo charme de sempre - respondo baixinho
- Sim... as mulheres sempre me acharam charmoso- responde com aquele sorriso matreiro de sempre.

- Convencido, estás mais velho... ( ele sabia, como me deixava furiosa, quando dizia aquilo)
O teu perfume é o mesmo, sinto o cheiro. Agrada-me - diz maliciosamente.
Olho aqueles cabelos, cujo branco das têmporas, se tinham espalhado, dando uma cor de prata, que ainda lhe acentuava mais o charme.
Sinto o sangue ferver...
Meu Deus, como amo este homem - penso - seria possivel? O meu amor por ele, estava intacto ao fim de tantos anos.
Mantive-me serena, com aquela serenidade que o tempo de espera, a ausência prolongada, a falta de notícias, provoca em nós...
Ao longe ouço música, que cada vez mais se aproxima.
Estamos em frente um ao outro e, sinto a sua mão no meu cabelo...a pressão do seu corpo.
Até que ouço claramente uma voz feminina dizer: - "a esta hora João? Mas são duas da manhã. E uma voz masculina a responder: Mas para tomar café Nicola..."
De um salto, levanto a cabeça, e espanto dos espantos: Os olhos verdes do meu gato, estão quase encostados a mim, enquanto no rádio o locutor da RFM, diz que faltam não sei quantos minutos para as seis horas da manhã.
Sacudo-o repentinamente. A mania dele cheirar o meu cabelo enquanto durmo... O locutor continuava a falar e, cheia de fúria, desligo o despertador.
Tão real tinha sido o meu sonho. Ainda revia o seu olhar. Ainda sentia o meu corpo a tremer.
Bem... o melhor é não pensar. Amanhã não deixo entrar o "raio" do gato no meu quarto.
O passado não volta. Só mesmo em sonhos...

 

(06/11/2003)
gato.GIF

publicado por Menina Marota às 10:21

O passado volta sempre à lembrança mais não seja para vermos os erros que cometemos. Ou aquilo que de bom vivemos. É bom lembrar o passado, já falamos disso, mas não é bom viver de lembranças. Viver a vida um dia de cada vez e esperar sempre acordar de novo e se possivel com um sorriso nos lábios! beijo especial desta tua amiga de sempreLena
</a>
(mailto:pkena@iol.pt)
Anónimo a 22 de Dezembro de 2004 às 08:07

Sobre Mim...
Outras Eternidades