Eternamente Menina

Setembro 21 2010
(Fui ao encontro das minhas memórias, buscar cartas já apagadas pelo tempo. Recordar é viver, dizem… Será assim?)


Pintura de Javier Azurdia


 Queria ser capaz de ter as palavras certas para escrever o que me vai na alma.
Mas não as tenho, sinto-me perdida no tempo e no espaço, perdida no meio da gente, no meio de ninguém…
Procuro os meus sonhos. Aqueles que a ninguém confesso, procuro encontrar tudo aquilo que perdi e que nunca encontrei.
Sinto tudo como ontem, vivo no dia de hoje, preparando o amanhã.
Que me espera depois da noite? Que segredo me irá revelar o tempo? Anseio por uma vida, por um sentido, por amor, por um sonho que já foi realidade.
Perdi-me no tempo...Perdi-me em ti!
Quero voar pelo mundo, quero conhecer o que não conheço, quero amar o que não amo. Quero encontrar um sentido para a vida…
Quero deixar sair o que me vai na alma. Quero… quero… ou será, que na realidade, não quero, o que quero?
Sei o que procuro, sem saber o que quero.
Aspiro o ar que me envolve, que me lembra a ti, agarro-me à fina corrente invisível que ainda nos liga e penso… penso no tempo, no espaço, no ontem, no hoje, no amanhã, penso no momento....
Deste-me tanto, deste-me tão pouco, deste-me o tudo e tiraste-me o nada!
Sou tua. Profundamente tua, completamente tua e nada mais que tua. Quero ficar contigo; quero voltar ao passado, quero parar o tempo, o que sinto, o que receio.
Quero que leias isto. Que saibas quanto te amo...que passo as noites em branco, em busca de ti.
No frio que congelou a minha alma; quero que saibas que o tempo não passa, não mexe, não evolui.
Quero que saibas, o quanto significaste, significas e significarás para mim! Tu és parte de mim! Eu sou parte de ti....Ambos somos o todo!
Nunca te esqueças de mim.
Do amor que te dei. Do amor que recebi. 

 

Sê feliz...

publicado por Menina Marota às 18:30
Tags:

 


Menina


 


 


Comentário com um poema de Vinicius a um texto muito belo e cheio de amor.


 


 


Um beij.


 


Tretas


 


 


 


 


Soneto do amor total

Amo-te tanto meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te enfim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.


 


 


Vinicius de Morais


 

Henriques a 28 de Dezembro de 2010 às 12:29

Um belíssimo soneto de Vinicius, um Poeta que "canta" o amor como ninguém...
Grata por o ter aqui trazido e pela escolha, meu querido Amigo Tretas.
Desejo-lhe uma feliz entrada em 2011 com tudo o que de bom a Vida lhe possa oferecer.
Bjinho e Feliz 2011
Menina Marota a 28 de Dezembro de 2010 às 13:00

Nos meus passeios ....passei por aqui novamente ,pelo texto e musica a minha gratidão  o texto tem algo que me toca que penso que vivi ....talvez ....ou irei viver.
O abraço fraterno.


beijinhos
Tretas
Tretas a 26 de Janeiro de 2011 às 16:43

Sobre Mim...
Outras Eternidades