Eternamente Menina

Agosto 22 2013


Ao longe os azuis,

como se fossem segredos destapados,

na amplitude do olhar,

que se queria tresmalhado nos trilhos das águas.


Este corpo oblíquo sobre o mar e

sobre a areia cálida,

a retalhar a pele seca e carente,

moribunda, e de saudade entranhada,

sequiosa de terra orvalhada.


E os azuis tão perto e tão aquém,

que já nem a vista consegue manter.

.

© Piedade Araújo Sol 

2013-07-30



Imagem daqui

publicado por Menina Marota às 13:44

Um belo poema de uma autora que desconhecia mas que vou descobrir mais demoradamente.

MM as tuas escolhas são sempre belas. Parabelizo-te.
Bjokas
Marius Salgado a 28 de Agosto de 2013 às 22:21

Obrigada, Marius.

 Bom Ano 
Menina Marota a 8 de Janeiro de 2014 às 13:06


Para lá dos azuis
mar aravel a 18 de Setembro de 2013 às 23:54

Para lá dos azuis... fica a tua presença.
Obrigada!
Bom 2014 
Menina Marota a 8 de Janeiro de 2014 às 13:05

Para lá dos azuis
mar aravel a 18 de Setembro de 2013 às 23:56

Sobre Mim...
Outras Eternidades