Eternamente Menina

Março 31 2016

Amanda Cass

 

O beijo da quilha
na boca da água
me vai trocando entre o céu e mar,
o azul de outro azul,
enquanto
na funda transparência
sinto a vertigem
de minha própria origem
e nem sequer já sei
que olhos são os meus
e em que água
se naufraga minha alma


Se chorasse, agora,
o mar inteiro
me entraria pelos olhos


Poema de Mia Couto,

in "Raiz de Orvalho e Outros Poemas"

a págs. 70

publicado por Menina Marota às 09:35

Grata pela presença 
Menina Marota a 5 de Abril de 2016 às 21:35

Não tem de quê! 
Moralez a 5 de Abril de 2016 às 21:45

Sobre Mim...
Outras Eternidades