Eternamente Menina

Abril 18 2005

 

 

 

 

Deixo-me embalar pela música.
Fecho os olhos e sinto
o teu rosto mergulhar nas ondas do meu
cabelo.

 

As tuas mãos como plumas
percorrendo meu corpo.
Encostas-me à janela
e pressionas o teu corpo no meu.

 

Sinto uma volúpia quente
subir e fundir-se em mim.
Uma a uma, as peças vão desaparecendo
e eu estou ali,
nua, faminta, com as ondas
do meu corpo a chamarem-te ...

 

E tu vens, qual trovão em dias de
tempestade.
Para lá da janela, nada mais existe.
Somos nós, um só corpo
possuídos pelo mesmo desejo:
Amar ...

 

publicado por Otília Martel às 22:43

Serão ondas de desejo? Ondas de prazer? Ondas de amor? São concerteza ondas de vontade de sentir a felicidade!jotakapa
(http://jotakapa.blogspot.com)
(mailto:jotakapix@yahoo.com.br)
Anónimo a 18 de Abril de 2005 às 23:16

sssssppppppllllllaaaaaaaasssssssshhhhhhhh,/ espraia a onda suave / envolve-me lentamente, macia / humedece minha pele com ternura/ sssssspppppppplllllllllaaaaaaaaaaassssssssshhhhhh,/possui-me assim desnudado. Mereceste-o, trabalha-o... é teu! beijokaJorge Assunção
(http://tounotop.blogs.sapo.pt)
(mailto:januarioassuncao@sapo.pt)
Anónimo a 18 de Abril de 2005 às 23:44

lindo o poema...mesmo mt....e com a musica fica divino....boa semana...jinhosAzorboy
(http://livretransito.blogs.sapo.pt)
(mailto:marco_Azor@sapo.pt)
Anónimo a 19 de Abril de 2005 às 00:01

o amor e a ausência são mesmo um topoi incontornável que o tempo não ilude. beijinho. J.r.e.
(http://www.extensamadrugada.blogspot.com)
(mailto:rudolfoelias@hotmail.com)
Anónimo a 19 de Abril de 2005 às 00:06

Muito bonito...e sensual.
belo momento de poesia.jotace
(http://www.naweb.info/juliocesar/)
(mailto:jcesar@netcabo.pt)
Anónimo a 19 de Abril de 2005 às 00:49

Que as ondas sejam positivas para que este poema se possa chamar "ondas de amor".BjsAgostinho
(http://arteagostinho.blogs.sapo.pt)
(mailto:ag_silva@hotmail.com)
Anónimo a 19 de Abril de 2005 às 01:33

Querida Menina_Marota,
Em primeiro lugar, muito obrigada pela tua visita, principalmente pela atenção com que leste as minhas palavras e a dedicação com que as comentaste.
O sal da vida é a disponibilidade. E a disponibilidade é, nada mais, nada menos, que amor.
Depois, existe a paixão: essa loucura com a força da natureza inteira que nos assola, once in a blue moon, exactamente do modo como descreves no teu poema, que tanto me perturbou. É que, para te falar com sinceridade, já sinto saudades desse turbilhão... :)
Muitos muitos beijinhosCassiopeia
(http://www.cassiopeianablogosfera.blogspot.com)
(mailto:salome1975@mixmail.com)
Anónimo a 19 de Abril de 2005 às 01:58

Estamos sempre possuídos pelo mesmo desejo... Mas eles muitos vezes, escapam-se, por entre cabelos invisíveis na atmosfera do amor, que está perto e distante simultaneamente!

Gostei muito, estou completamente seduzido pela tua seduçãoFriedrich
(http://babushka.blogs.sapo.pt/)
(mailto:babushka@arquinorna.zzn.com)
Anónimo a 19 de Abril de 2005 às 05:14

Muito bonito o poema, com um toque de sensualidade...
Faz-nos navegar...;o)
Beijos*meialua
(http://fragmentosdalua.blogdrive.com)
(mailto:luamagica@hotmail.com)
Anónimo a 19 de Abril de 2005 às 08:52

Que essas ondas de desejo e paixão continuem a agitar o teu oceano de amor!... O poema está lindo!...

Um beijoFrog
(http://outravoz.blogspot.com)
(mailto:al.santos@netcabo.pt)
Anónimo a 19 de Abril de 2005 às 08:52

Sobre Mim...
Outras Eternidades