Eternamente Menina

Agosto 27 2005

 

 

Enquanto limpava a ferida do joelho, olhava as minhas mãos e pensava:
- O que faria com elas, se apanhasse o tipo que me derrubou?  - Um par de estalos! Dava-lhe um par de estalos!
Mas se fizesse isso, estava a fazer com as minhas mãos, aquilo que ele fez com as dele!
Mas ele derrubou-te. Tentou assaltar-te. E depois fugiu. Pensava, desoladamente. As tuas mãos, seriam iguais às dele, se lhe batesses!
Mas era o que ele merecia: - imaginas, se o carro que vinha atrás, passava pelo meu corpo, caído no chão? - Destruía a minha família!
- Já reparaste?
Um simples gesto, o que iria provocar?
Olho as minhas mãos sinto o meu corpo dorido mas, mais que a dor física, sinto a dor do meu interior.
Será que ele percebeu, que ao mandar aquela pancada com as mãos dele, poderia destruir uma família, a minha família?
Olho as minhas mãos... apetecia-me bater-lhe.

E recordo o Poema de Manuel Alegre:


Com mãos se faz a paz se faz a guerra.
Com mãos tudo se faz e se desfaz.
Com mãos se faz o poema - e são de terra.
Com mãos se faz a guerra - e são a paz.

Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra.
Não são de pedras estas casas, mas
de mãos. E estão no fruto e na palavra
as mãos que são o canto e são as armas.

E cravam-se no tempo como farpas
as mãos que vês nas coisas transformadas.
Folhas que vão no vento: verdes harpas.

De mãos é cada flor, cada cidade.
Ninguém pode vencer estas espadas:
nas tuas mãos começa a liberdade.

 

in  O Canto e as Armas, pág. 121

(edição 1970)

publicado por Otília Martel às 10:57

adoraria receber e partilhar dos seus poemas...me encantei com o poema das mãos , de Manoel Alegre...poderia me enviar?
desde ja obrigada....

bjx na alma

naty a 18 de Junho de 2008 às 01:44

Lindo seu blog, parabéns. Poderia me mandar o poema O poder das mãos? Obrigada .Um abraço
marcela a 13 de Março de 2007 às 01:57

Tipo0o, gostaria muito de sua foto das mãos?!
e saber como conseguiu-a?!
Irei utiliza-la em um folheto d e monologo! valeu!!!
Erico Pimenta a 30 de Dezembro de 2006 às 20:39

Com as mão se fez o Homem. Está muito bom este post. :)Poetas Amigos
(http://poetasamigos.blogs.sapo.pt)
(mailto:poetasamigos@sapo.pt)
Anónimo a 28 de Agosto de 2005 às 13:49

Gostei do teu post, fruto da experiência traumatizante que viveste. De facto será que se apercebem das possíveis consequências? Desejo que estejas melhor. Um beijo grandelique
(http://mulher50a60.weblog.com.pt)
(mailto:alice.semaravilhas@gmail.com)
Anónimo a 28 de Agosto de 2005 às 15:23

Pressuponho que foste vítima de assalto, possivelmente de esticão.
Não essas tuas mãos nunca se sujariam se lhe desses umas bofetadas...
Lindo o remate com o poema do Manuel Alegre.mfc
(http://pedemeias.blogspot.com)
(mailto:manuelfelixdacosta@sapo.pt)
Anónimo a 28 de Agosto de 2005 às 20:46

Mais uma vez entrei no teu blog e adorei ler-te novemente..
Vou sonhar...
SONHAR ...
Palavra mágica que ajuda-nos a viver.
SONHO ...
Sem ele não existiria a esperança de novas conquistas.
SONHAR ...
Porque não? É pura sensação de realização.
SONHO ...
Nós alimentamos-nos dele, muitas vezes para fazermos viagens impossíveis
Estarei à tua espera aqui ou ali onde quiseres, nem que seja num sonho.........
Um beijo
JPjoao
(http://joao69paulo.blogs.sapo.pt/)
(mailto:JOAO69PAULO@SAPO.PT)
Anónimo a 28 de Agosto de 2005 às 23:07

As mãos, salvadoras ou destruidoras, a extensão do ser que às vezes não deixam ser mais que alguém assustado, com um outro alguém ou com o alguém que habita em nós...

Gostei de te ler, cumprimentos :)Diogo Ribeiro
(http://omeunada.blogspot.com)
(mailto:zephyrium@hotmail.com)
Anónimo a 29 de Agosto de 2005 às 14:16

De quem te derrubou, as mãos são o cérebro!! As minhas, desenharam um "Motim da palavra", depois da tua passagem, ;) Jokas e as melhoras.jorgebond'alfangeassunção
(http://tounotop.blogs.sapo.pt)
(mailto:januarioassuncao@sapo.pt)
Anónimo a 29 de Agosto de 2005 às 14:51

Uma boa tareia não lhe faria mal desde que não ficasses com as mãos feridas.Bulbucus Íbis
(http://manjedoura.blogs.sapo.pt)
(mailto:bul@bul.bul)
Anónimo a 29 de Agosto de 2005 às 14:58

Sobre Mim...
Outras Eternidades