Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eternamente Menina

Eternamente Menina

25.10.13

"Para que não mais aconteçam"…


Otília Martel

Recostei-me no cadeirão da secretária e olhei o ecrã onde, nas duas últimas horas, escrevinhara o que me vinha ao pensamento resultado de acontecimentos noticiados e de alguns comentários que tenho lido por essa Web fora.
Por norma não gosto de escrever muito rebuscadamente e, muito menos, aplicando palavras ou frases complicadas mas, de vez em quando, o meu cérebro manda em mim e então os meus dedos cumprem as suas ordens e quando dou conta acabei de escrever um memorando quase pseudo-filosofal que acabo por detestar.  
Releio algumas frases e maquinalmente selecciono a página e carrego no delete.
Acabaste de fazer com o teu texto aquilo que o governo deste País está a fazer com uma certa classe dos seus habitantes – penso.  

Apagaste-o.

Como eles vos irão apagar a todos. Ao Povo!

Começaram na saúde, na educação, nos empregos, nas pensões, nos vencimentos… 

Quando nada restar nem a um funeral decente irão ter direito. Só à vala comum. Eles tiraram-vos tudo. Nada mais vos resta.  
 

Pintura de Vladimir Kush 

Pintura de Vladimir Kush

 

E recordo o poema de Eduardo Alves da Costa "No Caminho, com Maiakósvki"…

 

"Assim como a criança

humildemente afaga
a imagem do herói,
assim me aproximo de ti, Maiakósvki.
Não importa o que me possa acontecer
por andar ombro a ombro
com um poeta soviético.
Lendo teus versos,
aprendi a ter coragem.

Tu sabes,
conheces melhor do que eu
a velha história.
Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.

Nos dias que correm
a ninguém é dado
repousar a cabeça
alheia ao terror.
Os humildes baixam a cerviz:
e nós, que não temos pacto algum
com os senhores do mundo,
por temor nos calamos.
No silêncio de meu quarto
a ousadia me afogueia as faces
e eu fantasio um levante;
mas amanhã,
diante do juiz,
talvez meus lábios
calem a verdade
como um foco de germes
capaz de me destruir.

Olho ao redor
e o que vejo
e acabo por repetir
são mentiras.
Mal sabe a criança dizer mãe
e a propaganda lhe destrói a consciência.
A mim, quase me arrastam
pela gola do paletó
à porta do templo
e me pedem que aguarde
até que a Democracia
se digne aparecer no balcão.
Mas eu sei,
porque não estou amedrontado
a ponto de cegar, que ela tem uma espada
a lhe espetar as costelas
e o riso que nos mostra
é uma ténue cortina
lançada sobre os arsenais.

Vamos ao campo
e não os vemos ao nosso lado,
no plantio.
Mas no tempo da colheita
lá estão
e acabam por nos roubar
até o último grão de trigo.
Dizem-nos que de nós emana o poder
mas sempre o temos contra nós.
Dizem-nos que é preciso
defender nossos lares,
mas se nos rebelamos contra a opressão
é sobre nós que marcham os soldados.

E por temor eu me calo.
Por temor, aceito a condição
de falso democrata
e rotulo meus gestos
com a palavra liberdade,
procurando, num sorriso,
esconder minha dor
diante de meus superiores.
Mas dentro de mim,
com a potência de um milhão de vozes,
o coração grita – MENTIRA!"

 

 

Lentamente, factos históricos ocorrem-me.


Falar deles, relembrá-los, posicioná-los, "para que não mais aconteçam", é aquilo que mais se deseja, se diz e escreve, nessas alturas.

"Para que não mais aconteçam"… 

Será? Ou a História repete-se?

03.10.13

Gin sem tónica


Otília Martel

Uma noite de inverno ruidosa que mais parecia de um filme de terror.
O meu canito Sting, tremendo, quer colo e não me larga.  
Podia ao menos ter ido para debaixo da cama como fazem os miúdos, receosos. Mas não. Agarrou-se a mim como uma lapa todo tremeliques e nem me deixou dormir.  
Com ele ao colo lá me decidi a tomar um café, cuja máquina, na kitchenette do meu quarto, ainda estava ligada.  
Não tenho por hábito beber álcool fora das refeições mas, confesso, que me apeteceu o aires coffee que o meu genro prepara primorosamente.
Madrugada dentro, acalmado o canito que adormeceu enroscado na minha cama, embalei-me nos braços da chuva e adormeci… 
Saída de um sonho completamente surrealista acordei tarde e más horas, com a chuva a bater no vidro da clarabóia do quarto.  
Respirei aliviada. O telhado estava intacto!

 

Jimmy Lawlor
Jimmy Lawlor

 

 

Gin sem tónica


Uma garrafa de gin
estava a preocupar
o pescador
a garoupa e o rodovalho
não tinham aparecido
pró jantar
que fazer?
telefonou ao ministro
da Pesca e do trabalho
mas o ministro
estava a trabalhar
na cama
com a mulher
foi então
que a garrafa de gin
sugeriu discretamente
porque não
telefonar ao presidente?
telefonaram
o presidente da nação
estava em acção
na cama
com a mulher
nessa altura
até que enfim
encontraram a solução
o pescador
foi para a cama
com a garrafa de gin

Mário-Henrique Leiria, in "Contos do Gin-Tonic"
Editores Estampa (1973)