Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eternamente Menina

Eternamente Menina

23.12.13

Carta ao Pai Natal


Otília Martel
 
 
 

  Escrevo-te

na penumbra de um dia cinzento

com o mar ao longe bramando

a invernia dos dias.

 

Escrevo-te

no gelo das ruas com gente;

algumas, sorridentes e felizes,  

tristes e mal amadas, muitas outras.

 

Escrevo-te

no pedido sincero do meu coração

para que olhes pelos pobres sem abrigo

pelos velhos sem carinho

pelas crianças sem pão.

 

Escrevo-te

na singeleza das minhas palavras

que são a forma de manifesto

do que vejo e sinto

na impotência de, sozinha, me sentir

David contra Golias.

 

Escrevo-te

ó aclamado Espírito do Natal

para que invertas a consciência

daqueles que, sem conta nem medida,

arruinaram vidas e mentes,

desprotegeram e manipularam tantos outros

a favor dos seus intransigentes cúmplices  

e dá-lhes a honestidade de redimirem os seus erros.

 

Escrevo-te

na confiança inabalável de que, um dia,

ouvirás o coração dos pobres

e o Mundo será melhor.

 

 (19/12/2013)

12.12.13

2013


Otília Martel

Estamos quase no final de 2013.
O balanço das coisas más está feito, todos nós o sabemos, sentindo ao longo dos meses o peso real do abalo que a maioria dos portugueses sofreu a muitos níveis.
Mas, 2013 não foram só coisas negativas (para isso já basta o saldo das contas bancárias) e o facto de estarmos vivos é algo de muito positivo.
Foi um ano de sorrisos e lágrimas, de ganhos e perdas.
Amigos que se foram. Afectos que se perderam. Mas, sobretudo, amizades que se destacaram.
2013 foi, para mim, o melhor dos últimos anos porque me tornou Avó. E este sentimento foi, e é, sem sombra de dúvidas, o melhor que me aconteceu!
Nada apaga o momento em que o tive nos meus braços a primeira vez.
Ao olhar o rostinho do meu neto (o Luca) foi como se um novo mundo tivesse surgido de repente e tudo o que nele existia fosse bom e puro.
E um sentimento novo nascia em mim: o amor de Avó.  
E durante o resto do ano esse sentimento foi crescendo de tal forma que, por vezes, penso que não cabe no meu peito.
Rever 2013 é rever o rosto lindo do Luca no dia do seu nascimento. E sinto-me tão feliz, tão feliz, que esqueço que fui roubada o ano todo!