Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eternamente Menina

Eternamente Menina

24.04.20

EFEITOS SECUNDÁRIOS


Otília Martel

Bettina Baldassari

É bom estarmos atentos ao rodar do tempo
o outono por exemplo tem recantos entre
dia e noite ao pé de certos troncos indecisos
cercados um por um de sombras envolventes

Rente às árvores vamos, húmidos humildes
Dizem que é outono. Mas que época do ano
toca nestas paredes que roçamos
como gente que vai à sua vida
e não avista o mar, afinal símbolo de quanto quer,
ó Deus, ó mais redonda boca para os nomes das coisas
para o nome do homem ou o homem do homem?

Banho lustral de ausência é este tempo
de pés postos na terra em puro esquecimento

E vamo-nos perdendo de nós mesmos, vamos
dispersos em bocados, vítimas do vento
ficando aqui, ali, nalgum lugar que amamos
Nada mais do que terra há quem ao corpo nos prometa
Quem somos? Que dizemos?
Reúna-nos um dia o toque da trombeta


Ruy Belo

in,  Obra Poética de Ruy Belo,  Vol. 1,  a págs. 106 e 107

 

 

Pintura de Bettina Baldassari

10.04.20

Trago-te na minha vida


Otília Martel

Maria de Fatima Santos

Pintura de Maria de Fátima Santos

 

13

 

Trago-te na minha vida como quem

escuta os passos musicais do tempo,

como as manhãs tocam a paisagem...

 

e amplamente te recebo dos horizontes da dor

que é a nossa distância de seres quase tudo.

 

Trago-te na minha vida como é possível

a noite trazer o luar.

 

Que movimento guia a tua essência inacabada?

Onde te cumpres perguntando a vida?

E que Pudor, estares em ti antes de seres?

Tu, a Expectante, mortalmente sossegada...

 

Trago-te na minha vida de mãos postas

coroada de solidão e suspensa

como uma rosa fechada.

 

Vítor Matos de Sá, 

in Poemas de Amor a págs. 51