Eternamente Menina

Setembro 05 2006

Tomas del amo

 

 

Pela montanha alcantilada
Todos quatro em alegre companhia,
O Amor, o Tempo, a minha Amada
E eu subíamos um dia.

Da minha Amada no gentil semblante
Já se viam indícios de cansaço;
O Amor passava-nos adiante
E o Tempo acelerava o passo.

– "Amor! Amor! mais devagar!
Não corras tanto assim, que tão ligeira
Não corras tanto assim, que tão ligeira
Não pode com certeza caminhar
A minha doce companheira!"

Súbito, o Amor e o Tempo, combinados,
Abrem as asas trémulas ao vento...

"Por que voais assim tão apressados?
Onde vos dirigis?" Nesse momento.

Volta-se o Amor e diz com azedume:
"Tende paciência, amigos meus!
Eu sempre tive este costume
De fugir com o Tempo... Adeus! Adeus!
                      

                                                              
(Poema de António Joaquim de Castro Feijó)

Imagem de  Tomas del Amo

publicado por Otília Martel às 11:10

Foi este o blog que foi agora reposto? Esteve retirado desde 2006? Foi uma longa ausência.
Ah! Adorei o poema, Menina Marota.
gui a 6 de Outubro de 2009 às 19:38

CONSTACTO, ALEGREMENTE, QUE ESTE *ETERNAMENTE MENINA I******, AINDA ESTA' NO AR!
O E.M. II* E' QUE NAO! PORQUE??

BEIJINHOS QUERIDA *MENINA*******(ETERNAMENTE O SERA'!)

Heloisa
Heloisa B.P. a 4 de Outubro de 2009 às 20:09

CONSTACTO, ALEGREMENTE, QUE ESTE *ETERNAMENTE MENINA I******, AINDA ESTA' NO AR!
O E.M. II* E' QUE NAO! PORQUE??

BEIJINHOS QUERIDA *MENINA*******(ETERNAMENTE O SERA'!)

Heloisa
Heloisa B.P. a 4 de Outubro de 2009 às 20:06

Tenho vindo amiúde ler e apreciar o que tão bem diz e escreve em poesia. Um certo paralelismo de ideias nos une.
Pelo que aqui me foi dado aprender e sentir, reparto consigo o Prémio Dardos.
Veja em: http://novapangeia.blogspot.com

Um beijinho e Bom Ano
Isabel Branco a 6 de Janeiro de 2009 às 02:30

Tão doce e transbordante de amor! Beijos, Beijos, Beijos
henrique doria a 30 de Agosto de 2008 às 23:05

Quem conhece a sua ignorância revela a mais profunda sapiência. Quem ignora a sua ignorância vive na mais profunda ilusão.
FB a 22 de Julho de 2008 às 22:40

Tem um tempão que vc não posta nada....
Gostei tanto do blog...
Bjossssss
Marina a 14 de Janeiro de 2008 às 23:58

Gostei muito do poema! Boa semana.
Maria a 15 de Outubro de 2007 às 21:07

Olá, Menina. :)
SoZé a 11 de Outubro de 2007 às 22:47

António Feijó, um poeta muito esquecido; que bom que o lembras Amiga, neste poema de que gosto tanto...

Parabéns e beijos da


Maria Mamede
Maria Mamede a 4 de Setembro de 2007 às 18:41

Sobre Mim...
Outras Eternidades