Eternamente Menina

Janeiro 12 2011

 

Pintura de Michael and Inessa Garmash

 

 Como dizer-te

que povoas

o meu sono

ao cair da noite,

quando o dia termina,

despertando sensações

há muito escondidas em mim.

 

Como dizer-te

que em sonhos

as tuas mãos afagam meus cabelos

e percorrem-me ondas de emoção.

 

Como dizer-te

que a tua voz

me possui, entrando

no meu ouvido como seta

directa ao coração.

 

Como dizer-te

das sensações primeiras

coração aberto

sorriso franco

em sangue quente

que me inunda

e dá alento.

 

Como dizer-te

que és maré-alta

em noite de lua cheia.

 

Como dizer-te...

 

Ouvir o poema na voz de Luís Gaspar

 (Desligar p.f. a música de fundo para ouvir o poema)

publicado por Otília Martel às 16:30


Olá Menina, desejo que tudo esteja bem contigo!


Belo poema postado neste teu canto.


O amor é assim, na maior parte do tempo, nos deixa sem nada poder dizer. Talvez não haja necessidade de palavras em certos momentos!


Parabéns pelo belo blog! Desejo a você e todos ao redor iluminada e feliz existência, grande abraço e até mais!


 

Ubaldo Santos a 30 de Janeiro de 2011 às 23:44

Sobre Mim...
Outras Eternidades